Aqui enchi os olhos, aqui enchi o coração

É agora.

Mergulho na realidade e perco-me nos pensamentos.

Foram 3 meses.
Aprendi aqui, vivi aqui, cresci aqui.
Vi o que esperava e vi o que não esperava.
Vi pobreza, vi solidão, vi vida e vi alegria.
Um dia a “terra dançou”, as visitas das tempestades de areia passaram a uma constante, a minha pele escaldou com os 50ºC que se fazem sentir, conheci sítios, culturas e hábitos literalmente de outro mundo – e foram estas singularidades que transformaram todos os momentos únicos e especiais.
Acho que vou ter saudades tuas, até da companhia dos porcos que caminhavam ao meu lado até meio percurso para o supermercado.

Neste mundo perdi-me, este mundo tão diferente de onde vim, mas ao mesmo tempo o mesmo mundo, um só mundo.

Foi tudo tão intenso e tão rápido, eu sei parece cliché mas é a verdade.

E penso: aqui enchi os olhos, aqui enchi o coração.

Nestes minutos parece que o tempo congela e passa-me diante dos olhos, como que um flash, tudo o que aqui vivi tão comprimido e tão infinito que não consigo ver o horizonte destas memórias. Só quero que fiquem comigo para sempre.

– “The gate is now open”

Os meus pensamentos são interrompidos. Chamam por mim.

Espera-me o que eu ali estava à espera – voltar a casa.
E assim foi, deixei para trás o banco do aeroporto ao mesmo tempo que me questionava: quando te voltarei a ver?
Embarquei, com aquele friozinho na barriga, que só me faz pensar – vivi bem.

Acenei a Delhi e espero em breve cumprimentar Lisboa.

Foi um prazer Índia,

Namastê.

You may also like

Leave a Reply